Home » #OMTrips of a Lifetime: 15 lugares para se apaixonar na Provence

#OMTrips of a Lifetime: 15 lugares para se apaixonar na Provence

França | março 2019 |

Campos de lavanda, vilarejos medievais, vinhedos e castelos. Percorrer os caminhos sinuosos do Sul da França é das coisas mais românticas do mundo. Portanto, conheça 15 lugares para se apaixonar na Provence.

Para os franceses, a Provence é conhecida como o “midi” (meio-dia) da França. A região mais ensolarada do país, famosa pelos campos lilases de lavanda, não por acaso, figura na lista de desejos de viagem de muita gente. Além das lavandas, a província designada Provence-Alpes-Côte D’azur, localizada entre o Mediterrâneo e as montanhas, reúne plantações de girassóis, caminhos sinuosos, vinhedos e vilarejos medievais. Só que um bem pertinho do outro.

provence-15-lugares-para-se-apaixonar

Ou seja, percorrer de carro as estradinhas, sob o sol mágico do Sul da França, é das coisas mais românticas do mundo. Por isso, que muitos casais escolhem a Provence para se casar ou par a lua-de-mel. Selecionamos, portanto, os vilarejos (vilarejos) e atrações mais encantadoras. São 15 lugares para se apaixonar na Provence. Vamos lá?

provence-15-lugares-para-se-apaixonar

Avignon

Porta de entrada para a Provence. Além disso, Avignon foi capital da Igreja Católica no século 14 e possui um rico patrimônio artístico e cultural. Além disso, as paredes medievais ainda circundam o centro antigo, às margens do rio Rhône. Logo depois da praça principal, a Place de l’Horloge, no extremo norte da rue de la République, fica o eixo da cidade velha. Ademais, não deixe de visitar o gótico Palácio dos Papas, a antiga residência papal. No Centro, o casarão que abriga o Hotel d’Europe, é tido pela revista “Travel & Leisure” como um dos 100 mais bonitos hotéis do mundo, e tem um restaurante cinco estrelas. Outro casarão, o Le Numero 75 oferece gastronomia francesa contemporânea, contando com um belo com jardim. Para saborear as criações do jovem chef Mathieu Desmarest, vá ao moderno Pollen .

Orange 

Ademais da conhecida estação de trem, com partidas diárias para Paris, a cidadezinha tem o Théâtre Antique, que é espetacular. Ele domina o centro medieval e é um dos teatros romanos mais bem preservado do mundo.

Châteauneuf-du-Pape

Entre Avignon e Orange, Châteauneuf-du-Pape leva o nome do palácio de verão dos papas de Avignon. O vinho tinto da região está entre os mais renomados da França (e do mundo!). As degustações nas lojinhas são embriagantes. Para comprinhas, a melhor seleção fica na loja Vinadea Maison des Vins .

Aix

Uma cidade universitária, charmosa, viva. Aix-en-Provence é o lugar para seguir os rastros do pintor Paul Cézanne, que ali viveu. Portanto, ele é lembrado em plaquinhas com a letra “C”, que sinalizam os pontos significativos para ele na cidade. O Café des Deux Garçons, na avenida Mirabeau, e o Museé Granet, são os principais. Aliás, há o Atelier Cézanne, quase intacto. Quer almoçar em um jardim magnífico? Vá ao Le Pigonnet . Para adoçar o passeio,  a Confiserie du Roy René , reúne um acervo histórico (e ao vivo) dos doces provençais. A 25 minutos de Aix, o Château La Coste é um destino em si: reúne restaurantes, uma vinícola orgânica e um centro de arte contemporânea. Mesmo que não esteja hospedado no hotel, não perca os restaurantes Villa La Coste ou o Francis Mallmann en Provence. O chef argentino famoso pelos grelhados suculentos abriu sua filial também em terras provençais. 

Arles

Vizinha a Aix, Arles está entre as mais belas e antigas cidades do sul da França. Possui um extraordinário anfiteatro romano, o Les Arènes, da época em que era capital do Império Romano na Gália.A área ao redor da Place du Forum é a área mais animada da cidade, com cafés e barzinhos. A passagem do pintor Van Gogh por Arles, entre 1888 e 1889, foi relâmpago, mas rendeu 300 telas. Um irresistível clichê é visitar o bar amarelo que deu origem ao famoso quadro “Café, le soir”.

. Para se hospedar, o hotel-restaurante Spa Le Calendal é um três estrelas de 38 quartos coloridos, no Centro Histórico. Quem puder, não deve perder o Atelier de Jean-Luc Rabanel, primeiro chefe de cozinha orgânica, com 2 estrelas no Guia Michelin. 

Vaison-la-Romaine

No distrito de Vaucluse, a pequena Vaison guarda os vestígios de uma cidade romana de 2 mil anos, com seu teatro antigo e uma ponte que sobreviveu a guerras. A feira livre da cidade, como muitas da região, é um acontecimento. Cerâmicas, tecidos e tapetes estampados, roupas de linho cru e as  típicas espadrilles (alpargatas) se misturam a temperos, sabonetes de lavanda, cerejas e melões docinhos. A lojinha Le Comptoir the Matilde, presente em vários vilarejos, é ótima para comprar tapenades, azeites, mel de lavanda, a granel ou em potes chics. .

Gordes 

É a mais bacana das cidadezinhas, onde fica um dos principais cartões postais da região: a Abadia de Notre-Dame de Sénanque, do século 12, cercada por lavandas. Encarapitada em uma montanha, Gordes é a cereja do Vale do Luberon , distrito que possui uma bela paisagem composta de bosques, áreas selvagens do Parc Naturel Régional du Luberon. Não faltam vinhedos, campos de lavanda e vilas charmosas. Com uma vista incrível, o hotel cinco estrelas Le Bastide de Gordes tem um spa com tratamentos luxuosos. O restaurante Le Mas des Romarins é o lugar para uma refeição refinada. Ainda nos arredores, sugerimos um tour aromático no Museu da Lavanda (276, Route de Gordes – D 2 – BP 16).

L’Isle-sur-la-Sorgue

Perto de Gordes, essa cidadezinha provençal é permeada por canais. Aos domingos, ocorre um mercadinho interessante de produtos locais típicos. Para o almoço, dois lugares adoráveis são o Café Fleurs e ou Le Vivier. Por fim, não deixe de tomar uma taça de vinho rosé da Provence!

Roussillon

Também no Vale do Luberon, Roussillon é um vilarejo diferente por sua paleta de cores. Todas as casas, ali, são pintadas com pigmentos da terra ocre das montanhas locais, criando uma paleta ton-sur-ton, que vai do rouge ao ocre. Entre as falésias terracota, guarde uma tarde apra percorrer o Le Santier des Ocres e visitar o laboratório de cores do Conservatoire des Ocres (www.okhra.com). Logo depois, para o almoço, a dica é o restaurante David, hotel Le Clos de la Glycine (www.luberon-hotel.fr), com vista para o vale.  

Saint-Rémy-de-Provence

A bela St-Rémy-de-Provence mudou pouco desde a época em que Van Gogh pintava seus quadros por ali. A cidade velha, a Vieille Ville, é um emaranhado encantador de ruas estreitas, becos antigos e pracinhas. Ali, o restaurante Le Moulin de Sophie é um lindo lugar, com mesas ao ar livre, para provar delícias da Provence, como, por exemplo, um bom cordeiro. Além disso, outra atração das redondezas são as ruínas da antiga cidade romana de Glanum

Valensole

É o principal pólo de cultivo de lavanda, e seus campos são os maiores da região. É possível visitar a fábrica da L’Occitane, em Manosque. O tour perfumado envolve todas as etapas da fábrica e além disso tem uma lojinha dos produtos.

Sault 

Super charmoso, este vilarejo abriga a  Distillerie Aroma’plantes, uma fazenda familiar que trabalha com a destilação de plantas aromáticas e por fim oferece workshops.

Les Baux-de-Provence

Essa aldeia medieval foi construída num afloramento rochoso. Ou seja, é um dos locais mais impressionantes da Provence. A rua principal sobe, ao longo da colina, até chegar ao Château des Baux-de-Provence. As ruínas do castelo do século 11 continuam monumentais. Em seguida, outra atração é o museu de arte imersiva Carrières de Lumières , cujas obras são projetadas nas paredes da antiga pedreira. Logo depois, para uma salada ou algo mais substancial, as comidinhas do bistrô Domaine de Manville são uma boa pedida.

Marseille 

Marselha foi um dos portos mais antigos e importantes da Europa, utilizado desde a Antiguidade Clássica. Caótica e multicultural, a cidade não tem o glamour de Cannes ou St-Tropez, mas vive um processo de florescimento cultural. Seu coração é o animado Vieux Port (antigo porto). Além disso, vale explorar o bairro de Le Panier, na parte mais antiga da cidade, o bairro République, com suas boutiques elegantes; e a área de Joliette, centralizada na Cathédrale de Marseille. Na entrada do Porto Velho, o Hotel Richilieu oferece estadia com ampla vista para o mar. Além disso, o Le Poulpe é o restaurante para provar os inesquecíveis frutos do mar de Marselha (84 Quai du Port, tel. + 33 (0) 4 95 09 15 91).

Gorges du Verdon

Dentro do Parc Naturel Régional du Verdon, Gorges du Verdon é considerado o “Grand Canyon da Europa”. O canyon esculpido ao longo de milhões de anos pelo Rio Verdon percorre 25 km através do planalto de calcário da Haute-Provence, até o sopé dos Alpes. Portanto, com seus penhascos íngremes e profundos, os desfiladeiros são um paraíso para as aves e para os esportistas. Além disso, um restaurante gostoso por lá é o L’Actuel,de cozinha mediterrânea, tudo preparado com ingredientes frescos, com todo o savoir faire francês.

Quando ir

Certamente o desejo é ver a floração das lavandas, escolha uma data entre meados de junho e fins de julho, no verão europeu. Embora seja a época mais lotada e cara, pois o “ouro violeta”, como a lavanda é chamada ali, tinge o horizonte de lilás. Portanto, o outono e a primavera também são épocas bonitas, com flores e cores incríveis. No inverno, muitas atrações chegam a fechar, mas não deixa de ser uma paisagem interessante e tudo fica bem mais barato. 

Quer mais inspiração de viagem? Quer saber dos eventos mais bacanas que acontecem pelo mundo? 
Siga nosso Instagram e Facebook!

Entre em Contato

Ligue para +55 11 3287 6886 ou deixe sua mensagem