GO UP

Soccer Mom & O Lugar do Momento: LES – Lower East Side

photo 4Em NY acompanhamos os filhos aos mais inusitados campos de futebol e nesse caso em questão, estou me referindo aos treinos no meio de Chinatown! Nos filmes tudo parece muito exótico e divertido, mas no dia-dia, nem tanto! Até que um dia, resolvi transformar meus dias de esperas no banco do campo, em curiosas descobertas e o resultado é uma lista de lugares inusitados em Nova York.

Antes de mais nada, vou dar um conselho importante. Por exemplo, eu já conhecia as redondezas e bem que gostava, mas como ia ao futebol, com a mente fechada, ou melhor, “mal humorada”,  julgando a frequência e tudo mais, sequer me dava ao trabalho de me situar no mapa. E, como se em quase vinte anos de NY, não houvesse aprendido ainda que, de uma entrada parecendo um buraco, pode-se encontrar um jardim suspenso ou algo do gênero, simplesmente, surpreendente. Então, deixemos o “ pre conceito” em casa, para podermos aproveitar as oportunidades que aparecem. (ou melhor, se puder, o abandone mesmo, para sempre).

Snack

Vanessa’s Dumpling House
 
118 Eldridge St (btwn Broome & Grand St)

A primeira vez que “mordi a língua”, foi quando meu filho, Lorenzo (vão escutar muito dele), insistiu em me levar em um lugar de Dumplings, que os outros meninos do time costumavam ir, na rua ao lado do campo. Tive um chilique, porque não queria nem tomar água naquela região. Conclusão: melhor dumpling que já comi! Só de falar, me dá água na boca! É bom, bonito o lugar, não diria, é tipo uma pequena lanchonete fast -food, tudo simples, limpo  e baratíssimo. Obs.: O nome é lindo! ( hi, hi,hi…)

Bar

Copper & Oak 157 Allen St

photo 2 (1)A outra surpresa, foi quando uma das mães do time, amiga minha, francesa, Patricia Desoblin, dona de um dos meus lugares favoritos na cidade no inverno, o Brandy Library, em TriBeca, me convidou, para conhecer o novo bar que iriam abrir no outono. “Surprise, surprise”, (para mim, ainda com a mente um pouquinho bairrista), conheci um dos lugares mais charmosos de destilados.

Ela e o marido, Flavien Desoblin, assim como autênticos franceses, impecáveis nas escolhas de todos os detalhes, montaram um conjunto de ambientação, serviço e sabor, indiscutíveis. Ainda não estava tão frio assim, para encararmos uma degustacão de grapa, coleção considerável que oferecem. Então,  como aperitivo de “espera de treino de filho”, ela ofereceu um belo vinho do “Cooper & Oak Selection e “hot dog”! Sim!!!! Eles servem hot dog em uma baguette, tipo um pão francês, fresquíssimo, de uma simplicidade incrível e ” superb”.

Vejam vocês, que ser mãe em NY, não está parecendo tão duro assim, tão pouco, passear pelos arredores do Chinatown.

Durante a temporada de arte em setembro, escutei muito as minhas amigas “ descoladas” e feras do mundo da arte contemporânea, falarem sobre a novíssima área das galerias, e ainda me disseram: “ Esqueça de Chelsea”!

Muito bem,  anotei tudo direitinho e sabem aonde fica esse paraíso de artistas contemporaneous em ascenção?

No LES = Lower East Side, considerado “O” lugar do momento!

Assim como já mencionei, já tinha ido à restaurantes, festas e eventos naquelas ruas, mas à noite, todos os gatos são pardos!

Gostei da minha “aventura”, e mais uma vez fui usar o tempo do treino para passear mais. Os 90 minutos voaram e renderam as dicas que selecionei, além da principal: simplesmente, andem pela Orchard, Ludlow Streets e arredores e vão entrando nos lugares, porque cada momento, é único para cada um de nós e além do mais, de uma porta destruída com patos pendurados, de repente…tem uma galeria de arte linda e gente transada.

photo 1photo 1Galerias

http://www.marcstraus.com – no momento temuma exposição de esculturas bem expressivas, introspectivas, ao meu leigo modo de ver, de Emil Alzamora, de até dia 12 de junho, 2015

photo 1-1http://www.racheluffnergallery.com/exhibitions

http://www.nyc-arts.org/organizations/22138/abrazo-interno-gallery

Informações

Adorei esse centro de informações! É pequeno e com um  design bem moderno, com coisinhas de souvenirs para comprar, tipo t-shirts e canecas, bem legais.

http://lowereastside.org/listing/les-visitor-center/

Coffee Shop & Surf

Lost Weekend NYC

O nome é perfeito e o lugar não pode ser mais convidativo. Eu nunca fui surfista, mas o ambiente é tão gostoso, que acabei, além de tomar um caƒê, descobrindo um presente ultra simpático para amantes das ondas, vejam essa peça de madeira, para pegar “ Jacaré”:

 

http://www.lostweekendnyc.com

photo 2Restaurante & Bar ( noite )

Sou suspeitíssima para falar sobre esses dois lugares porque além de ter a sensação de estar em casa, sempre estive no The Fat Radish para jantar ou brunch, com meus melhores amigos de NY, pessoas ecléticas, do mundo da moda, mercado financeiro, arquitetos, que por sinal, conhecem os donos, etc e tal. Os pratos são rústicos, mas delicados e elaborados, ao mesmo tempo. Tudo é bom, mas costumo optar pela salada de ” kale” e o prato de frango. A aprecição por detalhes à “moda antiga”, transparece em tudo que fazem e como servem.

O Bar em frente, também segue a mesma filosofia. Diria que quando taça de champagne é a tradicional dos anos 40, 50..e os discos são de vinil, dá para ter uma ideia da vibe do local.

ttp://www.thefatradishnyc.com

http://ny.eater.com/2012/9/7/6547639/the-leadbelly-a-den-like-bar-from-the-fat-radish-team#4247648

Happy Hour

RPMphoto 3

A última escapada dos treinos, já na primavera, de uma sexta-feira, foi para encerrar nosso capítulo. As minhas colegas de campo não estavam e precisava revisar meu novo site, então resolvi procurar um café com WiFi para trabalhar um pouquinho.  Mas que café que nada, encontrei o bar mais cool dos últimos tempos, também tipo retro: RPM. Sentei me ao bar e o rapaz, com muita personalidade, olhou para mim com cara de desprezo simpático, quando pedi uma Stella. Logo vi que não era “inn”, porque pelo visto, cerveja virou um papo sério por aqui! Ele me fez provar diferentes tipos e não é que gostei, mas não lembro do nomes…tenho que voltar para contar.

Vanessa Simone Pereira, paulistana, advogada de formação, mãe, amiga e querendo ou não, uma Nova Iorquina. Ela é mais uma daquelas histórias de quem foi a famosa ilha de Manhatthan "en passant" e nunca mais a deixou. Vanessa vai coloborar com o Original Miles semanalmente, escrevendo um pouco sobre tudo da Big Apple.

Leave a Reply