GO UP

O lendário endereço na esquina mais charmosa de Champs-Elysèes

Dizem que Serge Gainsbourg costumava tomar sua saideira no Fouquet’s. O 99 da avenue des Champs-Elysées, esquina com a estação do metro George V, era um dos endereços frequentados pelo compositor boêmio, em Paris. Desde 1899, o Fouquet’s, ou le Fouquet’s, encarnou a mais perfeita tradução da brasserie parisiense, um ponto de encontro de personalidades do cinema, da cultura e da política, oferecendo um bar reluzente e os grandes clássicos da culinária francesa.

Comprado pelo grupo Lucien Barrière Hotéis e Casinos, em 1998, o restaurante Fouquet’s ganhou novas casas em Cannes e Toulouse. Mas a grande expansão se deu na própria esquina lendária, em 2006, quando o prédio que abriga o Fouquet’s, no térreo, se transformou no hotel palaciano Barriére Le Fouquet’s, conhecido por ter alguns dos quartos mais espaçosos e luxuosos da cidade. A ambiciosa reforma, supervisionada pelo arquiteto Edouard François e pelo designer de interiores Jacques Garcia, fundiu sete edifícios clássicos de estilo Haussmann. A decoração, grandiosa, se faz notar logo na chegada, no lobby com imensas poltronas e cortinas douradas, lustres de cristal e paredes forradas de couro bordado.

Os quartos, com no mínimo 28m2 (chegando a 250m2, na suíte presidencial), seguem o mesmo estilo: muito mogno, couro, seda e veludo, misturando tradição e modernidade em cada detalhe. Ao chegar, o hóspede encontra uma mini réplica da Torre Eiffel de chocolate, com um bilhete de boas-vindas. Uma delícia única. Mal acostumada, entre tantos mimos, esperei ainda por uma garrafa champanhe, mas, voilá… Não se pode ter tudo nessa vida. A vista para a avenida Champs-Elysées, ao acordar e abrir as cortinas, ou durante à noite, contemplando os brilhos da cidade luz, é realmente “algo”. No café da manhã de rainha, entre todas as delícias, queijos e geléias gerais, não esqueça de pedir o ovo poché.

Depois de flanar pela cidade, lembrando que apenas alguns passos separam o hotel dos mais importantes museus, galerias, cinemas, cafés e lojas de marca icônicas, o hóspede pode relaxar na imensa banheira (destaque do banheiro) ou se entregar a uma massagem e mergulhar na piscina esmeralda do exclusivo Spa Shiseido. O serviço de mordomo é cortesia para todas as categorias de quartos, reforçando a excelência do hotel, membro da The Leading Hotels Of The World (LHW), associação que reúne alguns dos hotéis mais luxuosos do mundo, representando mais de 420 espalhados em 80 países.

Quer almoçar ou bebericar um drink no lendário Fouquet’s? Basta reservar ou simplesmente descer e pedir uma mesa. A esquina de toldo vermelho é inconfundível. No restaurante atual, o chef três estrelas Pierre Gagnaire oferece um menu que glorifica os produtos e a simplicidade dos pratos franceses, como o mítico Merlan Colbert. Com sorte, ainda vai tocar aquela canção do Gainsbourg.

+ sobre o grupo Barrière

O Groupe Barrière foi fundado em 1912 por François André e ampliado, ao longo dos anos, por Lucien Barrière, Diane Barrière-Desseigne e Dominique Desseigne, sucessivamente, para se tornar o líder francês em casinos e ponto de referência para hotéis de luxo. O grupo expandiu sua linha de produtos, baseados na excelência do serviço e no savoir faire francês. Hoje, eles têm 41 Casinos Barrière, 16 Hotéis Barrière (a maioria de 5 estrelas), 2 hotéis parceiros e cerca de 140 restaurantes e bares, incluindo o famoso Fouquet em Paris, em um portfólio que se estende a Cannes, Marrakech e Toulouse.

Vá lá:

Hôtel Barrière Le Fouquet's
46 Avenue George V et Champs Elysées, 75008 Paris, França

Uma caçadora de histórias e maravilhas. Jornalista, escritora, cantora, viajante, cozinheira , aprendiz de dança, sempre em busca da próxima descoberta que desperte os cinco sentidos: o sabor de um novo prato, drink ou vinho (paladar), uma massagem, mergulho ou algo assim relaxante (tato), uma terapia com óleos aromáticos, chás com especiarias ou aquele perfume inédito (olfato), o pôr do sol visto de um rooftop ou as vistas mais incríveis para o mar e as montanhas (visão), e ainda um concerto, show, som ou simplesmente o barulho das ondas, do vento ou dos pássaros (audição). Rosane Queiroz foi editora da revista Marie Claire e da revista de bordo da GOL. Escreve sobre comportamento, gastronomia, sustentabilidade, viagem e lifestyle em publicações como Viagem e Turismo, Vida Simples, Folha de São Paulo, entre outras, além de atuar em produção de conteúdo de texto para livros. É autora de "Musas e Músicas –A mulher por trás da canção" (ed. Tinta Negra), livro reportagem em que conta quem são as musas inspiradoras de canções da MPB com nomes femininos. Na coluna Os Cinco Sentidos, compartilha experiências colhidas em suas andanças e viagens, com os cinco sentidos bem abertos. Mantém o Instagram @oscincosentidos.