GO UP

Banana Bamboo Ecolodge – Refúgio sustentável em Ubatuba

A meio caminho entre Ubatuba e Paraty, o Banana Bamboo Ecolodge é um refúgio sustentável para curtir o mar, a mata e as maravilhas da ecogastronomia

Aos pés da Serra do Mar, o Banana Bamboo Ecolodge é o refúgio perfeito para quem quer sentir o silêncio da mata, pegar uma praia e comer aquela comidinha natural e saudável. Quem pratica meditação e ioga encontra ali também uma estrutura sob medida, com sala para prática e um spa com camas branquinhas para massagens relaxantes. 

Tudo isso a dois quilômetros da Rodovia Rio-Santos, no sertão de Ubatumirim, em um cenário cercado por um imenso bananal e muitos bambuzais. Daí o nome do hotel, totalmente concebido dentro dos princípios da bioarquitetura, aproveitando ao máximo a ventilação e a luz natural. São apenas 10 amplas suítes com rede na varanda, conectadas às outras áreas do hotel por uma passarela cercada de folhas e flores exóticas, com destaque para a banana cor-de-rosa e o bastão do imperador, uma flor graúda e selvagem, e, geral vermelha ou salmão, que lembra um bastão. 

Geléia de jaca

A ecogastronomia, ou gastronomia sustentável, é um dos pontos altos do Banana Bamboo. A começar pelo café-da-manhã, em que você percebe a presença dos ingredientes colhidos na agrofloresta do entorno. Tem suco de Jussara (açaí), geléia de jaca, geléia de pimenta cambuci, e pães preparados com capricho na cozinha do hotel. O cenário do salão do restaurante, com imensos lustres de palha também é inspirador. 

A novidade mais recente do Banana Bamboo é o menu do Bistrô, com foco cada vez afinado com a ecogastronomia. 

Entre os ingredientes mais utilizados, típicos da Mata Atlântica, estão a banana, a pupunha, o cambuci, o fruto da juçara e o cacau. Com eles são produzidas moqueca de pupunha, pães de juçara, cookies de cacau nibs e inúmeras sobremesas como o sorvete de banana com calda de Cambuci.

Não deixe de provar as lindas saladas com pancs –as plantas alimentícias não convencionais. Na noite em que jantamos no hotel, tinha “peixinho à milanesa”. Mas, nesse caso, peixinho é o nome de uma folha que, quando empanada e frita, juro, tem gosto de peixe! 

As pancs estão presentes também em outra novidade do verão 2020: uma nova carta de drinks, criada por Caio Bonneau que combina os frutos da Mata Atlântica com as pancs do jardim!

Pequenos eventos

De manhã, é gostoso sair caminhando pelo bambuzal do hotel, curtindo o canto dos pássaros e os cantos com almofadas, perfeitas para meditar. A sala de ioga é linda e bastante procurada para retiros de ioga. O Banana Bamboo também é um achado para quem busca um espaço para encontros corporativos petit comité, sem o esquemão dos auditórios impessoais. Ali, tudo é pensado para conectar as pessoas e a natureza, de maneira única. 

Entretanto, vale mencionar que o lodge integra a seleta coleção da Sul Hotels, selo que reúne alguns dos melhores hotéis da América Latina.

Na área da piscina – uma “biopiscina”, pois utiliza sistemas biológicos para tratar a água (nada de cloro) – há ainda uma sauna super gostosa e uma banheira de hidromassagem disputada no final da tarde. Mas como o hotel tem poucos quartos, dá para aproveitar todos os espaços na volta da praia. Afinal, o mar convida a um mergulho e as areias de Itamambuca –destino de surfistas – fica a 20 minutos do hotel. Ou seja, o melhor dos mundos em um refúgio sustentável em Ubatuba. 

siga @oscincosentidos

Uma caçadora de histórias e maravilhas. Jornalista, escritora, cantora, viajante, cozinheira , aprendiz de dança, sempre em busca da próxima descoberta que desperte os cinco sentidos: o sabor de um novo prato, drink ou vinho (paladar), uma massagem, mergulho ou algo assim relaxante (tato), uma terapia com óleos aromáticos, chás com especiarias ou aquele perfume inédito (olfato), o pôr do sol visto de um rooftop ou as vistas mais incríveis para o mar e as montanhas (visão), e ainda um concerto, show, som ou simplesmente o barulho das ondas, do vento ou dos pássaros (audição). Rosane Queiroz foi editora da revista Marie Claire e da revista de bordo da GOL. Escreve sobre comportamento, gastronomia, sustentabilidade, viagem e lifestyle em publicações como Viagem e Turismo, Vida Simples, Folha de São Paulo, entre outras, além de atuar em produção de conteúdo de texto para livros. É autora de "Musas e Músicas –A mulher por trás da canção" (ed. Tinta Negra), livro reportagem em que conta quem são as musas inspiradoras de canções da MPB com nomes femininos. Na coluna Os Cinco Sentidos, compartilha experiências colhidas em suas andanças e viagens, com os cinco sentidos bem abertos. Mantém o Instagram @oscincosentidos.

Leave a Reply