GO UP

Paraty Abstrata e colorida no Ateliê Amarante

Refúgio de diversos artistas que escolhem a cidade como porto e cenário, Paraty oferece, além da paisagem única, um rico caminho pela arte contemporânea.

Percorrer suas ruelas de pedra, entrando nos ateliês, conversando com os artistas, é dos programas mais gostosos. No Centro Histórico, o ateliê Amarante chama a atenção pelas telas abstratas de tintas fortes que saltam aos olhos dos passantes, logo da janela.

eduole

” Olé” acr. sobre tela, 130×130 cm, Paraty 2015

Vale a pena entrar e conhecer de perto as diversas fases do artista, que viveu durante 27 anos na França, entre Paris e Provence, e há uma década escolheu Paraty para morar e pintar. São fases distintas: os abstratos, especialmente vermelhos, marcam os momentos mais recentes. Há também as telas óticas, que confundem o olhar quase em um efeito 3D, e as figuras femininas que remetem especialmente aos anos 70 e 80, tempo em que trabalhou em Paris e fez diversas exposições por lá, em galerias renomadas como Liliane François e Le Cube.

amarante

A partir dos anos 90, Amarante conta que passou a explorar especialmente os abstratos como uma maneira de se desligar da arte narrativa, para uma técnica que o deixasse mais livre. Atualmente, sua pintura tem sido bastante apreciada na Alemanha, com exposição recente na Galeria Günzburg, Überlingen, em 2012. Em Paraty, uma mostra retrospectiva com 24 telas do artista foi realizada na Casa de Cultura, em março de 2015 (foto abaixo). Suas telas em acrílica, a maior parte delas em grandes dimensões, enchem os olhos e tocam a alma.

Vá lá:

Ateliê Amarante
Rua Comendador José Luiz, 237
Tel. 24- 99904-8422
E-mail: amarante.eduardo@gmail.com

Uma caçadora de histórias e maravilhas. Jornalista, escritora, cantora, viajante, cozinheira , aprendiz de dança, sempre em busca da próxima descoberta que desperte os cinco sentidos: o sabor de um novo prato, drink ou vinho (paladar), uma massagem, mergulho ou algo assim relaxante (tato), uma terapia com óleos aromáticos, chás com especiarias ou aquele perfume inédito (olfato), o pôr do sol visto de um rooftop ou as vistas mais incríveis para o mar e as montanhas (visão), e ainda um concerto, show, som ou simplesmente o barulho das ondas, do vento ou dos pássaros (audição). Rosane Queiroz foi editora da revista Marie Claire e da revista de bordo da GOL. Escreve sobre comportamento, gastronomia, sustentabilidade, viagem e lifestyle em publicações como Viagem e Turismo, Vida Simples, Folha de São Paulo, entre outras, além de atuar em produção de conteúdo de texto para livros. É autora de "Musas e Músicas –A mulher por trás da canção" (ed. Tinta Negra), livro reportagem em que conta quem são as musas inspiradoras de canções da MPB com nomes femininos. Na coluna Os Cinco Sentidos, compartilha experiências colhidas em suas andanças e viagens, com os cinco sentidos bem abertos. Mantém o Instagram @oscincosentidos.

Leave a Reply